ÁSIA: Os mercados asiáticos avançaram nesta na sexta-feira, seguindo o impulso nas ações dos EUA dada pelo presidente Donald Trump ao dizer que iria anunciar um “plano fiscal fenomenal” a ser lançado dentro de 2 a 3 semanas. O dólartambém subiu contra a cesta de moedas, sendo negociado a 100,69 na tarde de sexta-feira na Ásia.

Trump e o presidente chinês, Xi Jinping, falaram ao telefone pela primeira vez e segundo a Casa Branca, desta vez Trump concordou em honrar a política de “One China” a pedido de Xi.

Além disso, os números da balança comercial da China superaram as expectativas dos analistas. As exportações em janeiro​ cresceram 7,9%​ em relação ao mesmo período do ano anterior, enquanto as importações subiram 16,7% em dólar. Em yuan, as exportações cresceram 15,9% em janeiro, enquanto as importações cresceram 25,2%. O superávit comercial ficou em US$ 51,35 bilhões no mês. O Shanghai Composite subiu 0,44%.

No Japão, o Nikkei subiu 2,49%, com o enfraquecimento do ienecontra o dólar. Um iene mais fraco é positivo para as ações japonesas, pois torna as exportações mais baratas e aumenta os lucros quando repatriados. O iene foi negociado a 113,66 nesta sexta-feira, em comparação com os níveis em torno de 112 de ontem. Os investidores estarão de olho nas manchetes sobre a visita do primeiro-ministro japonês Shinzo Abe aos EUA para uma reunião de dois dias com o Trump. Esta reunião ocorre em meio aos ataques de Trump à possível manipulação cambial para favorecer as empresas nipônicas. Espera-se discussões que incluem os planos do presidente de se retirar da Parceria Trans-Pacífico e estabelecer uma série de novos acordos comerciais bilaterais.​

Na Austrália, o ASX 200 fechou em alta de 0,99%. O banco central da Austrália cortou suas previsões para o crescimento econômico de curto prazo​ após uma contração no terceiro trimestre, mas espera uma recuperação nos próximos dois anos, indicando que provavelmente virão mais cortes nas taxas. O RBA manteve taxas estáveis ​​em um recorde de baixa de 1,5% na terça-feira como esperado e sinalizou que permaneceria em espera por algum tempo. O subíndice do ouro da Austrália mergulhou 2.56%. As mineradoras BHP Billiton, Fortescue Metals e Rio Tinto (LON:RIO) fecharam em alta. O dólar australiano permaneceu resiliente mesmo depois do rali do dólar, sendo negociado a $ 0.7654.

Na Coréia do Sul, o Kospi subiu 0,45%, enquanto o índice Hang Seng de Hong Kong subiu 0,21%.

EUROPA: Os mercados europeus avançam pelo quarto dia consecutivo nesta sexta-feira, impulsionado pelo otimismo com os fortes dados das exportações da China e uma rodada de resultados corporativos otimistas, enquanto investidores rastreiam lucros e mantém a atenção para a reunião entre o presidente Donald Trump e o primeiro-ministro japonês Shinzo Abe. O Stoxx 600 sobe 0,35% com a maioria dos setores em negociação positiva e segue a caminho do melhor fechamento desde 26 de janeiro. Na semana, o benchmark pan europeu tenta estabelecer um avanço de 0,8%.

Destaque para o setor de recursos básicos que avança mais de 2% e supera seus pares, desempenho este após as exportações da China aumentar 7,9% em janeiro, ante uma queda de 6,1% em dezembro. A China é um grande consumidor de recursos naturais e qualquer indício da força de seu crescimento econômico tende a impulsionar o setor de commodities. A empresa de mineração Boliden segue no topo do índice de referência europeu, com um aumento de quase 6% nas transações antecipadas, depois de registrar um lucro operacional de US$ 236,76 milhões, bem acima das expectativas. A siderúrgica Arcelor Mittal disse nesta sexta-feira que preços mais altos do aço ajudaram a reduzir as perdas do ano todo. Suas ações sobem mais de 4%. Em contrapartida, as ações da Just Eat lideram a baixa do índice de referência europeu, com queda de quase 6,5%. Seu CEO disse que iria se demitir devido a questões familiares “urgentes”.

A Renault registrou resultados recordes em 2016, com lucros operacionais superiores a 3%. Suas ações sobem 1,6%. A Renault e a sua parceira Nissan estão dispostos a prosseguir com a associação mesmo que o governo francês venda sua participação na montadora. Enquanto isso, o grupo de artigos de luxo Kering (PA:PRTP) salta 2% depois que os resultados superaram as expectativas. Entre os dados econômicos liberados, a produção industrial mensal da França caiu 0,9% em dezembro, ligeiramente abaixo do consenso.

No Reino Unido, o FTSE 100 sobe e avança pela quarta sessão consecutiva. O índice das blue-chip de Londres avançou 0,6% na quinta-feira e segue a caminho de subir 1,2% na semana, que seria a segunda semana de ganhos consecutivos. Companhias mineradoras ajudam a impulsionar o FTSE mais alto. Ações da Anglo American (LON:AAL) sobem 3,2%, Rio Tinto avança 2,25%, Glencore (LON:GLEN) adiciona 1,54% e BHP Billiton avança 1,5%. As exportações da Grã-Bretanha subiram 2,4% em dezembro, ajudando a reduzir o déficit comercial em US$ 375 milhões para US$ 3,3 bilhões. Adicionalmente, a produção industrial cresceu 1,1% em dezembro, enquanto a construção aumentou 1,8%. Todos os dados foram melhores do que o esperado.

AGENDA DO INVESTIDOR EUA:
11h30 – Import Prices (preços de bens importados, excluindo petróleo);​
13h00 – Prelim UoM Consumer Sentiment (mede a confiança dos consumidores na economia norte-americana);
13h00 – Prelim UoM Inflation Expectations (mede a porcentagem que os consumidores esperam do preço dos bens e serviços nos próximos 12 meses);
17h00 – Federal Budget Balance (orçamento federal dos Estados Unidos).​
ÍNDICES FUTUROS – 7h40:
Dow: +0,13%
SP500: +0,09%
NASDAQ: +012%

OBSERVAÇÃO: Este material é um trabalho voluntário, resultado da compilação de dados divulgados em diversos sites da internet que são aqui resumidos de maneira didática para facilitar e agilizar a compreensão do leitor. O texto da sessão asiática está no tempo passado e a europeia no presente devido ao horário em que este relatório é redigido. Atentem-se para o horário de disponibilização dos dados.

 Via HARAMOTO
Bolsas Mundiais Sobem com o Possível Plano Fenomenal de Trump