ÁSIA: Ações australianas lideraram as perdas perdas na região Ásia-Pacífico nesta quarta-feira, pesada pelas ações da Ardent Leisure, operadora do parque temático Dreamworld, que caiu 14,89% para 2 dólares australianos por ação ($ 1,54), após quatro pessoas morrerem um passeio na terça-feira. O ASX 200 caiu 1,53%. O setor de energia caiu 2,47% seguindo o recuo dos preços do petróleo, enquanto o forte setor financeiro pedeu 1,32%. Santos recuou 2,97%, Oil Search caiu 3,01%, Woodside Petroleum perdeu 1,87% e Beach Energy despencou 6,29%, enquanto os bancos chamados “Big Four” do país recuaram próximos da casa de 1%. As mineradoras tiveram desempenho misto. BHP caiu 1,8%, Fortescue subiu 0,9% e Rio Tinto avançou 1,6%.

Dados do Australian Bureau of Statistics mostraram que o índice de preços ao consumidor para o trimestre de julho a setembro subiu 0,7% no trimestre, ante aumento de 0,4% no trimestre anterior. Os preços subiram 1,3% ao longo dos doze meses no terceiro trimestre. Analistas esperam que o pequeno aumento reduza a probabilidade do Banco da Reserva da Austrália (RBA) aplicar outro corte na sua taxa na próxima reunião.

Entre outros mercados, o Kospi deslizou 1,14% em meio a boatos de que agências de viagens da China continental teriam sido ordenados por governos provinciais para reduzir o número de turistas que visitam a Coreia do Sul e que agentes de viagens teriam até o fim do mês para entregar planos para reduzir o turismo, de acordo um jornal sul coreano, JoongAng Daily.

No Japão, o Nikkei refez parte perdas anteriores e fechou em alta de 0,14%. O índice Hang Seng  de Hong Kong recuou 1,02%, enquanto na China continental as bolsas também recuaram. Shanghai Composite fechou em baixa de 0,46%, enquanto o Shenzhen Composite caiu 0,43%.

Os principais índices na Índia, Singapura e Tailândia também fecharam em baixa.

No mercado de câmbio, o dólar foi negociado a 98,75 contra uma cesta de moedas depois de ultrapassar brevemente os 99 na sessão anterior. O dólar ainda é apoiado pelas expectativas de vitória da candidata democrata Hillary Clinton na eleição presidencial dos Estados Unidos em 8 de novembro e pela possível alta da taxa de juros pelo Fed em 14 de dezembro. O iene perdeu ligeira força e foi negociado a 104,31 contra o dólar, enquanto o dólar australiano subiu para US $ 0,7708, ante níveis abaixo de US $ 0,7650 após anúncio dos dados de inflação ao consumidor no país subir.

EUROPA:  As bolsas europeias recuam seguindo o desempenho sem brilho em Wall Street e na Ásia. O pan europeu STOXX 600 recua 0,7%, com os investidores acompanhando a queda nos preços do petróleo após um aumento nos estoques de petróleo nos EUA e digerido uma série de balanços corporativos, especialmente da Apple, que registrou a primeira queda anual de sua receita desde 2001. As ações da gigante de tecnologia caíram mais de 2,7% no after-hours americano.

Vários bancos reportaram seus resultados. Santander da Espanha disse que o lucro líquido subiu no terceiro trimestre, superando as expectativas dos analistas e suas ações sobem. Nordea segue em território positivo depois que registrou lucro operacional do terceiro trimestre de 1,15 bilhão de euros (US $ 1,25 bilhões), superando as previsões. Lloyds Banking Group registrou um lucro de £ 1,9 bilhões ($ 2310000000) no terceiro trimestre, uma queda de 3% frente ao ano anterior. Ações do credor Reino Unido cai.

No Reino Unido, o FTSE 100 cai  após subir 0,5% na terça-feira. Antofagasta afunda 6,57% e lidera a baixa no benchmark. A mineradora registrou aumento na produção de cobre no terceiro trimestre, mas espera que a produção de cobre neste ano fique perto da borda inferior de sua previsão de 710.000-740.000 toneladas. Analistas esperam uma redução nos preços do cobre até o final do ano, impulsionado pela força do dólar e fraca demanda chinesa.

EUA: Wall Street aponta para um dia no vermelho nesta quarta-feira, após a Apple a postar uma das maiores perdas no pré-market na sequencia do anúncio de seus resultados trimestrais. A queda dos preços do petróleo também pesa, enquanto os investidores esperam outra rodada de resultados de grandes empresas.

O presidente do Fed de Chicago Charles Evans disse no início desta semana disse que o banco central pode aumentar as taxas três vezes a partir de agora até o final de 2017 e não descartou a adoção de medidas já nas próximas reuniões de novembro, dezembro ou janeiro. A probabilidade de uma caminhada da taxa pelo Fed em novembro é de apenas 8,3%, de acordo com a ferramenta do CME Group, que mede os preços no mercado de futuros dos fundos do Fed. No entanto, para dezembro a ferramenta está apontando para uma chance de quase 80% de aumento. Segundo analistas, apenas uma vitória inesperada de Donald Trump na eleição presidencial dos EUA em novembro ou um dados econômicos americano horripilante é visto como as únicas possibilidades do Federal Reserve elevar as taxas de juros dos Estados Unidos até final de 2016.

AGENDA DO INVESTIDOR:
EUA:
10h30 – Goods Trade Balance (diferença entre exportação menos importação de bens);
11h45 – Flash Services PMI (estimativa inicial do Índice PMI, fornecendo indicadores precedentes para dados finais do PMI de Serviços);
12h00 – New Home Sales (número de casas novas com compromisso de venda);
12h30 – Crude Oil Inventories (relatório sobre o nível das reservas americanas de petróleo);

ÍNDICES FUTUROS – 7h40:
Dow:  -0,37%
SP500:  -0,37%
NASDAQ:  -0,54%

OBSERVAÇÃO: Este material é um trabalho voluntário, resultado da compilação de dados divulgados em diversos sites da internet que são aqui resumidos de maneira didática para facilitar e agilizar a compreensão do leitor. O texto da sessão asiática está no tempo passado e a europeia no presente devido ao horário em que este relatório é redigido. Atentem-se para o horário de disponibilização dos dados.

via HARAMOTO

RESENHA DA BOLSA – QUARTA-FEIRA 26/10/2016