bmf-resenha

ÁSIA: Apesar do ceticismo sobre o acordo, a OPEP conseguiu fechar o acordo para cortar a produção de 1,2 milhão de barris por dia na quarta-feira, marcando o primeiro esforço concentrado do grupo para reduzir a produção desde 2008. O movimento fez os preços do petróleo bruto subirem mais de 9 %. O corte representa cerca de 1% da produção mundial, que vai ajudar a reduzir o excesso de óleo que provocou a queda dos preços por mais de dois anos. A notícia impulsionou as bolsas asiáticas.

O Nikkei do Japão fechou em alta de 1,12%, liderada por ações de energia. Inpex subiu 9,95% e Japan Petroleum Exploration saltou 12,2%. O iene mais fraco também ajudou. O iene foi negociado em torno de 114,12 contra o dólar, ante 112 no início desta semana.

Na Austrália, o ASX 200 terminou 1,1% maior, conduzido por fortes ganhos no subíndice de energia, que disparou 7,21% e pelo  subíndice de recursos naturais, que avançou 2,88%. Entre as ações de energia, Woodside Petroleum e Oil Search subiram 6,48 e 9,8%, respectivamente e entre as mineradoras, BHP Billiton subiu 4,3%, Fortescue Metals avalou 7,8% e Rio Tinto fechou em alta de 1,8%.
Estatísticas oficiais mostram que o investimento empresarial da Austrália caiu 4% no terceiro trimestre, uma queda mais acentuada do que os 2,5% previstas pelos analistas da Reuters. A queda nos investimentos provavelmente terá impacto sobre o PIV do terceiro trimestre que será divulgado em 07 de dezembro.

As bolsas chinesas fecharam em território positivo, o Shanghai Composite fechou em alta de 0,74% enquanto o Shenzhen Composite terminou 0,60% maior. Em Hong Kong, o índice Hang Seng subiu 0,32%. O índice PMI oficial de manufatura da China, que mede a atividade das estatais e grandes empresas, subiu para 51,7, ante expectativa de 51,0 de uma pesquisa da Reuters, enquanto isso, o índice PMI de manufatura promovido pela Caixin / Markit, que mede a atividade de pequenas e médias empresas, caiu para 50,9, abaixo dos 51,2 em outubro, mas melhor do que os analistas esperavam. Uma leitura abaixo de 50 representa contração, enquanto uma leitura acima de 50 indica expansão.  O índice PMI oficial de serviços da China subiu para 54,7 em novembro, ante 54,0 em outubro.

Kospi da Coreia do Sul fechou praticamente estável em 1.983,75 pontos. Dados de estatísticas da Coreia mostrou que o índice de preços ao consumidor (CPI) em novembro subiu 1,3% ano-a-ano, abaixo da expectativa para um aumento de 1,5% em uma pesquisa da Reuters. A meta do Banco da Coreia é de uma inflação de 2%, o que deixa espaço para aliviar ainda mais a sua política monetária. Também foi divulgado os  números da balança comercial de novembro. As exportações aumentaram 2,7% ano-a-ano, ante comparação em uma pesquisa da Reuters que estimavam um aumento de apenas 1,2% nas exportações. As importações saltaram 10,1% face ao ano anterior, superando as previsões de aumento de 2,9% pela Reuters . Os embarques para a China também cresceu pela primeira vez em 17 meses.

O aumento dos preços do petróleo, juntamente com os dados econômicos sólidos dos EUA, enviou ao dólar para o maior nível contra o iene desde fevereiro, dando suporte aos stocks de exportação no Japão. O rendimento dos títulos do tesouro de 10 anos dos EUA subiu para 2,386% durante a noite, ante 2,297% na quarta-feira. O aumento dos rendimentos do tesouro ter tirado dinheiro da Ásia nas últimas semanas, desvalorizando moedas regionais, mas o impacto do preço do petróleo sobre as moedas asiáticas, aumento de expectativas de inflação e aumento dos rendimentos do Tesouro diminuíram na quinta-feira. O peso filipino e a rupia da Indonésia caíram 0,07%, enquanto o won coreano subiu 0,4%.

O dólar foi negociado a 101,29 frente a uma cesta de moedas, enquanto o dólar australiano estava em US $ 0,7411. Segundo analistas, os riscos permanecem enviesados para o lado negativo para o dólar australiano. As pressões inflacionárias perceptíveis a partir dos preços do petróleo e  a entrada de Trump na Casa Branca não parecem estar ainda totalmente precificados no preço no dólar, enquanto os dados dos EUA continua a justificar um aumento da taxa tanto em dezembro, quanto no próximo ano.

EUROPA: Mercados europeus operam ligeiramente mais baixos na quinta-feira, após euforia de ontem resultante do corte da produção por parte da OPEP. Investidores estão focados no desenvolvimento político na Itália e aguardando dados regionais importantes como taxa de desemprego e índices PMIs de novembro para a zona do euro, O Stoxx 600 cai 0,24%.

Os investidores continuam preocupados com o referendo no domingo, aumentando as incertezas políticas na Itália e suas implicações no sistema bancário. O banco central italiano advertiu na quarta-feira que os três principais bancos do país deverão prover mais capital em seus ativos a partir de 2018. FTSE MIB da Itália opera em baixa de 0,56%.

Empresas de recursos básicos e de petróleo e gás registram os melhores desempenhos durante a primeira hora de negociação. As ações da Anglo American sobem 3,4% com a notícia de que está vendendo sua participação de 9,7% na mineradora sul africana Exxaro para reduzir sua dívida. A mineradora suíça Glencore sobe 3% com o anúncio de que vai pagar US $ 1 bilhão em dividendos no próximo ano, depois suspender os dividendo por mais de um ano em meio à dúvidas sobre sua solvência. Entre as gigantes da mineração, BHP Billiton sobe 0,4% e Rio Tinto cai 0,2% em Londres.

Os dados do Nationwide mostraram que preços dos imóveis no Reino Unido subiu em novembro. Em relação ao mesmo mês do ano passado, os preços registraram um aumento de 4,4%. O índice PMI de manufatura do Reino Unido ficou em 53,4 em novembro, ante expectativa de 54,5. O  FTSE 100 do Reino Unido cai 0,61%,

O preço do petróleo Brent, referência internacional para os preços do petróleo, virou para queda depois de subir acima de US $ 52 o barril, alta de mais de 10% após acordo da Opep para cortar a produção de petróleo em 1,2 milhões de barris por dia, o primeiro esforço do grupo para reduzir a produção desde 2008. Agora, os analistas perguntam como a Opep, que não tem força jurídica, fará para seus membros cumprirem o acordo, pois é de conhecimento de todos que membros da OPEP tem um longo histórico de fraude em suas produções além de suas quotas.

Sob o acordo, a Arábia Saudita deve cortar a produção em 486.000 barris por dia. Iraque teve uma mudança de última hora, ao concordar em reduzir a produção em 20.000 barris por dia. Enquanto isso, produtores como a Nigéria e Líbia foram isentados do negócio pois sua produção tem sido prejudicada por ataques de militantes e o Irã teve autorização especial para aumentar a produção ligeiramente acima do seu nível  de outubro. O grupo vai reavaliar a eficácia do acordo em seis meses.

Entretanto, o acordo deve levar os preços para cima, porém, os produtores de xisto podem aumentar a sua produção nos EUA, visto que a Administração de Informação de Energia dos EUA mostrou que produção dos EUA aumentou em 9 mil barris por dia para 8,7 milhões de barris na semana encerrada em 25 de novembro. Segundo o ANZ Research, que espera que os preços internacionais do petróleo batam a resistência em torno de US $ 60 o barril no início de 2017, há um risco real de que os preços mais altos podem reativar a produção do óleo de xisto.

 

Além disso, um aumento de preço de US $ 10 a US $ 15 o barril, também pode diminuir o apetite de alguns consumidores de petróleo na Ásia, que reforçaram os estoques recentemente comprando quando os preços estavam na faixa de US $ 40. Outra incógnita é a cooperação dos produtores não participantes da OPEP, que devem diminuir a produção de 600.000 barris por dia. A Rússia por exemplo disse que iria cortar a produção em 300.000 barris por dia, mas analistas não estão plenamente confiantes de que a Rússia irá congelar a produção, especialmente se o mercado seduzi-los com preços mais altos.

AGENDA DO INVESTIDOR:
EUA:

10h30 – Challenger Job Cuts (número de demissões corporativas);
11h00 – Unemployment Claims (número de pedidos de auxílio-desemprego);
12h45 – Final Manufacturing PMI (número final da pesquisa referente ao nível de atividade industrial nos Estados Unidos);
13h00 – ISM Manufacturing PMI (mede o nível de atividade industrial no país);
13h00 – ISM Manufacturing Prices (expectativa dos negócios em relação à inflação futura, onde um número maior indica uma maior expectativa de inflação);
13h00 – Construction Spending (mede os gastos decorrentes da construção de imóveis);

ÍNDICES FUTUROS – 8h00:
Dow: -0,01%
SP500: -0,13%
NASDAQ: -0,18%

OBSERVAÇÃO: Este material é um trabalho voluntário, resultado da compilação de dados divulgados em diversos sites da internet que são aqui resumidos de maneira didática para facilitar e agilizar a compreensão do leitor. O texto da sessão asiática está no tempo passado e a europeia no presente devido ao horário em que este relatório é redigido. Atentem-se para o horário de disponibilização dos dados.

via HARAMOTO

RESENHA DA BOLSA – QUINTA-FEIRA 01/12/2016