ÁSIA: Os mercados asiáticos registraram ganhos nesta quinta-feira, impulsionados pela minuta de reunião do Federal Reserve de janeiro, com os políticos temendo condições financeiras mundiais mais rígidas que podem atingir a economia dos EUA e se pensou em mudar a trajetória das altas em 2016, ignorando muitos dados econômicos regionais decepcionantes e com mercados chineses mais uma vez na contramão de seus pares regionais.

No Japão, as exportações de janeiro caíram 12,9% a uma taxa anual, pior do que a expectativa de uma queda de 11,3% dos analistas enquanto as importações caíram 18% em termos homólogos. As exportações para a China, um dos maiores parceiros comerciais do Japão, caiu 17,5% em janeiro. A balança comercial para janeiro ajustada sazonalmente permaneceu com superávit, enquanto a balança comercial não sazonal ficou deficitária, pesada por preços do petróleo mais baixos e a força do iene, além da fraca demanda doméstica.

Apesar dos números decepcionantes, o Nikkei fechou em alta de 2,28%, a 16,196.80 pontos. Os grandes conglomerados comerciais como Mitsubishi, Mitsui, Sumitomo, Itochu e Marubeni, subiram entre 2,79 e 8,61%. O iene se fortaleceu contra o dólar, sendo negociado em baixa de 0,21%, a 113,84, ante 114,08 do fechamento de ontem. O iene mais forte é geralmente negativo para os exportadores, pois reduz os seus lucros no exterior quando convertidos em moeda local, mas os grandes como Toyota, Honda e Sony seguiram o rali do índice de referência e fechou em alta entre 1,71 e 3,55%, enquanto os bancos, que foram fortemente espancados desde que o BoJ implementou as taxas de juros negativos, viraram a mesa e ganharam entre 1,78 e 2,86%. A taxa overnight japonesa, que é a taxa de juros de referência entre os bancos, caiu para níveis negativos na quarta-feira.

Mais ao sul, o S & P / ASX 200 adicionou 2,25%, em 4.992 pontos e flerta o nível psicológico dos 5.000 pontos, liderados pelo setor de energia ganhando 5,3%, enquanto o setor financeiro ganhou 2,34%. As gigantes BHP Billiton e principal rival Rio Tinto subiram 6 e 3%, respectivamente, para US $ 16,95 e US $ 43,40, apesar dos preços do minério de ferro cair 0,92%, para US $ 46,35 a tonelada. A produtora de minério de ferro Fortescue Metals Group disparou 11,47% para US $ 2,09.

Na China, o Shanghai Composite mais uma vez seguiu sentido contrário e perdeu 0,16%, enquanto em Hong Kong, o índice Hang Seng subiu 2,30%. Antes da abertura, o governo divulgou que a inflação da China para janeiro acelerou para 1,8% no ano, aquém das expectativas do mercado, enquanto a pesquisa da Reuters previa que o índice de preços ao consumidor ficaria em 1,9%, em comparação com 1,6% de dezembro e o índice de preços ao produtor caiu 5,3% em janeiro, ante uma queda de 5,9% em dezembro.

Os preços do petróleo dispararam após uma queda inesperada nos estoques de petróleo, que caíram 3,3 milhões de barris na semana até 12 de fevereiro para 499,1 milhões, em comparação com as expectativas dos analistas para um aumento de 3,9 milhões de barris. A alta também foi facilitada pelo apoio do ministro do petróleo do Irã Bijan Zanganeh em relação à limitação da produção para estabilizar os preços do petróleo, conforme proposto por grandes produtores como a Arábia Saudita e Rússia.

Santos ganhou 7,60%, Woodside Petroleum subiu 4,58% na Austrália, enquanto no Japão, Inpex adicionou 6,09%. Na China,  Petrochina recuou 1,06% após a agência de classificação Moody dizer que estava colocando o rating da estatal para um possível rebaixamento, em linha com o resto da região.

EUROPA: Mercados europeus opera instável entre altas e baixas, após devolver os ganhos após abertura positiva, com alguns balanços decepcionantes colocando pressão sobre o mercado.

O pan europeu STOXX 600 opera em zique zague e o setor de energia pesa. Tullow Oil registra forte baixa depois de dizer que teve que mudar alguns de seus procedimentos operacionais no campo Jubilee, em Gana após a identificação de um problema com um equipamento, enquanto isso, o grupo de petróleo e gás austríaco OMV cai após queda em seu lucro operacional e cortar seus dividendos para 2015.

As ações da Nestlé caem, após prever atenuação dos preços em 2016 depois de reportar resultados abaixo das previsões dos analistas, enquanto a empresa de recursos humanos Randstad despenca 4,5% depois que mais que duplicou o lucro líquido no quarto trimestre ante ano anterior, de 77,8 milhões de euros para 176,1 milhões de euros.

Na França, o grupo hoteleiro Accor avança após registrar um aumento de 3,5% no lucro operacional em 2015, mas disse que os cancelamentos de reservas após os ataques terroristas em Paris prejudicou suas operações na França. Air France-KLM sobem 7% depois que voltou a registrar lucro em 2015, com um lucro operacional de 816 milhões de euros (US $ 909 milhões), em comparação com uma perda de 129 milhões de euros em 2014.

No Reino Unido, o FTSE 100 cai depois de duas semanas de alta, quando o benchmark ficou acima dos 6.000 pontos pela primeira vez desde 01 de fevereiro, liderado por perdas no setor de petróleo e gás e mineração.

Royal Dutch Shell cai 2,63% sendo negociadas sem direito a dividendo. A rival produtora de petróleo BP cai 0,63%, embora os preços do petróleo estejam subindo. As mineradoras Anglo American caem 5,28% e Glencore recuam 4,50%, enquanto as gigantes BHP Billiton e Rio Tinto perde 1,13 e 3,13%, respectivamente.

Seguem negociados ex-dividendo, a operadora de cruzeiros Carnival que recua 0,36%, as fabricantes de medicamentos GlaxoSmithKline e AstraZeneca recuam 3,16 e 1,51%, respectivamente.

A libra sobe 0,0420% frente o dólar, sendo negociado a $ 1,4282, ante US $ 1,4263 na quarta-feira. Os investidores ficam de olho na reunião dos 28 membros da União Europeia em Bruxelas, onde discutirão alterações propostas com os termos da relação do Reino Unido com a UE e aguardam a minuta da reunião de janeiro do Banco Central Europeu.

AGENDA DO INVESTIDOR:
EUA:
11h30 – Philly Fed Manufacturing Index (indicador responsável por mensurar a atividade industrial no estado);
11h30 – Unemployment Claims (número de pedidos de auxílio-desemprego);
13h00 – CB Leading Index (ou Índice de Indicadores Antecedentes, relatório que compreende 10 índices já divulgados no país e que resumem a situação da economia americana e servem como prévia para o desempenho da economia);
14h00 – Crude Oil Inventories (relatório sobre o nível das reservas americanas de petróleo);

Índices Mundiais – 7h40:

ÁSIA
Nikkei: +2,28%
Austrália: +2,25%
Shanghai: -0,16%
Hong Kong: +2,30%

EUROPA
Frankfurt – Dax: +0,35%
London – FTSE: -0,51%
Paris CAC: +0,30%
IBEX 35: +0,78%
FTSE MIB: +0,71%

COMMODITIES
BRENT: +1,40%
WTI: -0,21%
OURO: -0,32%
COBRE: -0,87%
SOJA: -0,31%
ALGODÃO 0,00%

ÍNDICES FUTUROS
Dow: +0,09%
SP500: +0,04%
NASDAQ: +0,11%

Observação: Este material é um trabalho voluntário e gratuito, resultado da compilação de dados divulgados em diversos sites da internet que são aqui resumidos de maneira didática para facilitar e agilizar a compreensão do leitor. O texto da sessão asiática está no tempo passado e a europeia no presente devido ao horário em que este relatório é redigido. Atentem-se para o horário da disponibilização dos dados.

Por HARAMOTO