ÁSIA: A maioria das principais bolsas da Ásia-Pacífico fechou em queda nesta quinta-feira, com o setor de energia da região ficando sob pressão depois que os preços do petróleo ampliaram suas quedas.

Na Austrália, o ASX 200 seguiu em queda pelo segundo dia consecutivo e fechou em baixa de 1,20%, com a maioria dos setores em baixa. O setor de energia terminou 1,76%, enquanto o setor de materiais diminuiu 2,09% e o forte setor financeiro caiu 0,70%. As exportações australianas cresceram 3,5% no trimestre de setembro, enquanto as importações caíram 1% pelo quarto trimestre consecutivo. Segundo o Australian Bureau of Statistics, a balança comercial da Austrália subiu 4,5% no trimestre, o maior salto desde 2011. Entre as mineradoras australianas, BHP Billiton caiu 0,7%, Fortescue recuou 2% e Rio Tinto fechou 0,1% menor.

No Japão, o Nikkei 225 terminou em baixa de 0,32%, com o iene se mantendo na casa dos 104,60, enquanto do outro lado do Estreito Coreano, o Kospi contrariou a tendência e avançou 0,51%, recuperando parte das recentes perdas. A gigante de eletrônicos Samsung registrou um lucro operacional do terceiro trimestre de 5,2 trilhões de wons (US $ 4,5 bilhões), uma baixa de quase 30% no ano, mas ficou em linha com as expectativas. As receitas da linha móvel da Samsung mostrou um declínio de 96% no ano, chegando a ₩ 100 bilhões, na sequência de recall e interrupção na produção de seu Galaxy Note 7. Ações da Samsung subiram 0,38%.

Em Hong Kong, o índice Hang Seng caiu 0,83% e na China continental, o Shanghai Composite caiu 0,13%, enquanto o Shenzhen Composite terminou praticamente estável em 2.068,08 pontos. Os lucros industriais em setembro cresceram crescimento de 7,7% sobre o ano passado, nitidamente abaixo de uma alta de 19,5% no mês anterior.

A maioria dos stocks de petróleo fecharam em queda na região durante o horário de asiáticos, em meio a preocupações com a possibilidade de corte da produção pela OPEP em sua reunião de novembro. Na Austrália, Santos caiu 1,95%, Oil Search recuou 2,36% e Woodside Petroleum perdeu 1,52%. No Japão, Fuji Oil caiu 0,94% e Japan Petroleum caiu 0,04%. Na Coreia do Sul, S-Oil declinou 1,11% e em Hong Kong, CNOOC caiu 3,24%, enquanto a Petrochina caiu 2,54%. Contrariando a tendência de queda, Inpex terminou em alta de 0,74%.

EUROPA:  As bolsas europeias operam com volatilidade nesta manhã desta quinta-feira, com a crescente preocupação de que os países da OPEP não iriam chegar a um acordo sobre corte de produção na reunião de novembro. O índice pan europeu STOXX 600 flutua no período da manhã entre altas e baixas.

Deutsche Bank registra receitas melhores do que esperado no terceiro trimestre deste ano e suas ações sobem. Barclays também sobe após o banco registrar um aumento de 35% nos lucros antes dos impostos no terceiro trimestre.

Enquanto isso, o banco central sueco anunciou que estava mantendo sua taxa inalterada em -0,5% e que não tem intenção de subir a taxa até o início de 2018 e o banco central da Noruega também deixou sua taxa básica inalterada em 0,5%. O Norges Bank informou que preços das casas e dívida das famílias aumentaram mais do que o esperado.

Novos dados mostraram que a economia do Reino Unido cresceu 0,5% no terceiro trimestre em relação ao mesmo período anterior, superando as estimativas de uma alta de 0,3%. Os dados do terceiro trimestre ajudou na ascensão da libra esterlina para uma semana de alta. O FTSE 100 cai após os dados. Muitas empresas listadas no FTSE 100 performa a maioria de suas receitas no exterior, de modo que a libra mais forte corrói seu lucro quando são convertidos de volta, bem como torna as exportações menos atraente.

As empresas de mineração postam as maiores perdas em Londres depois que dados mostraram uma desaceleração no setor industrial da China. A China é um dos principais compradores dos recursos naturais e quaisquer indicações de uma economia mais fraca tendem a ferir o setor de mineração. Antofagasta cai 1,91%, BHP Billiton recua 1,57%, Glencore perde 0,54% e Rio Tinto cai 0,1%.

A taxa de desemprego da Espanha caiu para 18,91% no terceiro trimestre, o nível mais baixo desde 2009. O banco central da Espanha espera que o país expanda 3,2% este ano, uma das taxas de crescimento mais robustas na Europa. À medida que mais espanhóis voltaram ao trabalho, eles gastam mais, aumentando os gastos do consumidor e acelerando ainda mais o crescimento econômico. A Espanha voltou a crescer em 2013 após uma profunda recessão. A taxa de desemprego no terceiro trimestre recuou 20% mas ainda assim, a taxa de desemprego da Espanha é das mais elevadas da Europa. Além disso, o banco central espera que o crescimento da Espanha alivie em 2017 para 2,3%. Além disso, o primeiro-ministro Mariano Rajoy deve ser reeleito pelo Parlamento neste fim de semana para um segundo mandato após 10 meses de impasse político. Ele disse que a volta de mais espanhóis ao trabalho é uma das suas prioridades políticas.

EUA: Futuros de ações dos EUA apontaram para um início em ligeira queda em Wall Street, antes da divulgação dos balanços da Ford Motor e dados econômicos tais como encomendas de bens duráveis e solicitações de seguro desemprego. Dow Jones subiu 0,17% na quarta-feira, impulsionado por resultados da Boeing, enquanto a decepção da Apple arrastou outros dois índices para baixo.

AGENDA DO INVESTIDOR:
EUA:
10h30 – Durable Goods Orders e Core Durable Goods Orders (números mensais de pedidos de bens duráveis para a indústria nos Estados Unidos, além de destacar o indicador se excluídos as encomendas no setor de transportes);
10h30 – Unemployment Claims (número de pedidos de auxílio-desemprego);
12h00 – Pending Home Sales de dezembro (mede a venda de casas existentes nos EUA com contrato assinado, mas ainda sem transação efetiva);

ÍNDICES FUTUROS – 7h50:
Dow:  -0,07%
SP500:  -0,11%
NASDAQ:  -0,07%

OBSERVAÇÃO: Este material é um trabalho voluntário, resultado da compilação de dados divulgados em diversos sites da internet que são aqui resumidos de maneira didática para facilitar e agilizar a compreensão do leitor. O texto da sessão asiática está no tempo passado e a europeia no presente devido ao horário em que este relatório é redigido. Atentem-se para o horário de disponibilização dos dados.

via HARAMOTO

RESENHA DA BOLSA – QUINTA-FEIRA 28/10/2016