ÁSIA: Os principais índices da Austrália, Japão e Coreia do Sul iniciaram fevereiro estendendo os ganhos de sexta-feira depois que o Banco do Japão (BOJ) surpreendentemente adotou taxas negativas na sexta-feira, quando imprimiu otimismo nos mercados globais.

Nikkei do Japão subiu 1,98%, após alta de 2,8% na sexta-feira. A maioria das ações do setor bancário recuaram, estendendo as perdas da sexta-feira após o anúncio do BOJ, porque provavelmente as taxa de juros negativa vai afetar os lucros do setor. Mitsubishi UFJ caiu 5,46%, SMFG caiu 7,61% e Mizuho Financial caiu 5,88%. O mercado também subiu em meio a vários balanços registrando lucros. A fabricante de eletrônicos Sony disparou 12,41% após reportar lucro líquido 33,5% maior para 120,1 bilhões de ienes (US $ 999,8 milhões), superando as expectativas do mercado.

Exportadores japoneses como Toyota, Nissan e Canon avançaram entre 1,44 e 2,71% com o iene sendo negociado em baixa, em 121,25 por dólar, após a moeda local tocar seu nível mais fraco em relação ao dólar em um mês e meio na sexta-feira. Um iene mais fraco é um positivo para os exportadores. Enquanto isso, a Reuters informou que a Toyota vai suspender a produção em todas as fábricas do Japão entre 8 e 13 de fevereiro devido a uma escassez de aço após uma explosão em uma fábrica de aço operado por uma de suas afiliadas devendo retomar sua produção em 15 de fevereiro.

Na China, as bolsas chinesas caíram diante de mais sinais de enfraquecimento de sua economia. O Shanghai Composite Index recuou 1,78%, depois que o índice PMI de manufatura do país caiu para 49,4 em janeiro, marcando o sexto mês consecutivo de contração, em seu nível mais baixo desde agosto de 2012, abaixo da estimativa da Reuters de 49,6. Uma leitura abaixo de 50 indica contração das atividades.

Enquanto isso, os dados do PMI de manufatura da Caixin ficou em 48,4 em janeiro, ligeiramente acima da leitura de 48,2 no mês anterior e superando ligeiramente as expectativas do mercado. O índice acompanha de perto a atividade industrial de empresas pequenas e médias, preenchendo um nicho que não está coberto pelos dados oficiais. Segundo analistas, os dados sugerem que as pressões deflacionárias ainda persistem no setor manufatureiro e continuará a pesar sobre o crescimento econômico global em 2016. O Hang Seng Index caiu 0,45%.

Os líderes chineses devem reduzir a meta de crescimento do país entre 6,5 e 7% quando se reunirem durante o Congresso Nacional do Povo no início de março. Citando fontes próximas ao assunto, a Reuters disse que a meta de crescimento proposta já havia sido endossada pelos principais formuladores de políticas à portas fechadas durante a Conferência Central de Trabalho Econômico em meados de dezembro, embora os líderes tenham relutados para chegar a um consenso devido tremores econômicos globais. No ano passado, a China estabeleceu uma meta mínima de crescimento anual de 6,5% no quinquênio até 2020 para atender a uma meta de dobrar o PIB entre 2010 e 2020. O PIB da China cresceu 6,9% em 2015, o ritmo mais lento de crescimento em 25 anos.

Os ganhos em Tókio ajudaram a levantar o Kospi da Coreia do Sul e o S & P / ASX 200 da Austrália, que subiram 0,76 e 0,67%, respectivamente. O benchmark australiano, que chegou a subir 1,7%, fechou em 5,043.60 pontos, depois da divulgação dos dados chineses. Entre as mineradoras listadas em Sydney, BHP Billiton perdeu 0,7%, para $ 15,25, enquanto Rio Tinto recuou 0,4%, para $ 38,97.

Os preços do petróleo caíram durante o pregão asiático, após os futuros do petróleo nos EUA ganhar 10,81% e Brent subiu 13,9% na semana, depois de especulações sobre um possível acordo entre a OPEP e os produtores fora do cartel para cortar a produção. Na Austrália, Santos caiu 3,48%, Woodside Petroleum caiu 0,14% e Oil Search subiu 0,77%. No Japão, Inpex fechou estável e Japan Petroleum ganhou 1,62%, enquanto na Coreia do Sul, S-Oil subiu 4,09%. Na China, a maioria dos stocks de energia recuram. CNOOC caiu 3,17% em Hong Kong e Petrochina perdeu 2,82% no continente.

EUROPA: Mercados europeus abriram operando sem direção definida, pressionadas pela queda da atividade industrial chinesa e recuo do petróleo após subir mais de 10% na semana passada.

O índice PMI de manufatura para a zona euro em janeiro caiu para 52,3 ante 53,2 de dezembro, em linha com a estimativa anterior, mas ainda acima da marca de 50 que separa crescimento de contração, mostrando uma desaceleração da atividade manufatureira no início de 2016. Os mercados globais tem sido maltratado desde o início deste ano, atingindo os mercados de ações, commodities e os preços do petróleo, devido preocupação crescente com a economia chinesa, a segunda maior do mundo.

O enfraquecimento de janeiro veio após empresas oferecerem grandes descontos em seus produtos. Um sub índice que mede os preços da produção caiu de 49,8 para 48,3, sua leitura mais baixa desde Janeiro de 2015, enquanto os preços ao consumidor subiram apenas 0,4% no mês passado, segundo dados oficiais. Em nenhum deles perto do alvo do BCE, mas um pouco abaixo de 2%. Com a inflação tão baixa e crescimento permanecendo mudo, o BCE provavelmente deve reduzir sua taxa de depósito para território negativo quando se reunir no próximo mês, segundo uma pesquisa da Reuters na semana passada. Também há chances de aumentar o montante de compras de títulos de 60 mil milhões de euros por mês por parte do BCE.

O setor bancário está no centro das atenções dos investidores. Julius Baer cai ligeiramente após informar que o lucro líquido caiu dois terços em 2015 seguindo as normas do IFRS, em grande parte devido a provisões para uma possível sanção devido evasão fiscal por clientes americanos. Bankia da Espanha relatou um aumento de quase 40% no lucro líquido em 2015, atingindo 1,04 bilhões de euros (US $ 1,13 bilhão) e suas ações sobem mais de 6%.

Enquanto isso, Barclays e Credit Suisse estão pagando juntas mais de $ 150.000.000 para resolver acusações de que enganaram investidores em suas plataformas de negociações e na Itália, o correio italiano negou relatos de que estava considerando uma aliança com o Banca Monte dei Paschi di Siena (BMPS), mesmo assim as ações da BMPS estavam no azul.

Entre outras notícias corporativas, Statoil disse que tinha adquirido uma participação de 15% da rival Total no Uruguai, levando as ações a registrar forte baixa e a gigante de transporte Moeller Maersk sobe após Nomura elevar sua meta de preço para as ações.

No Reino Unido, o FTSE 100 cai, após abrir em alta, com os investidores avaliando dados econômicos da China e o aumento da atividade industrial no Reino Unido. O PMI de manufatura em janeiro ficou em 52,9, ante 52,1 em dezembro. O FTSE 100 subiu 2,6% na sexta-feira, na sequência da recuperação global estimulado pelo Banco do Japão, mas mesmo assim terminou janeiro em queda de 2,5%.

O crédito ao consumidor no Reino Unido abrandou em Dezembro, dados do Banco da Inglaterra mostraram que bancos e instituições financeira emprestaram 4,4 bilhões de libras (US $ 6,2 bilhões) ante 5,2 bilhões em novembro, mas os empréstimos hipotecários avançaram sugerindo que o mercado imobiliário está pronto para colher ganhos robustos em 2016.

Stocks de petróleo recuam em Londres, na sequência da queda dos preços do petróleo após decepcionantes dados de manufatura da China, segunda maior consumidor de petróleo do mundo. As ações da BP, Royal Dutch Shell e BG Group recuam 1,26, 1,02 e 0,47%, respectivamente, mas inacreditavelmente as empresas de mineração avançam. Anglo American sobe 2,07%, BHP Billiton sobe 0,77% e Glencore avança 1,07%, mas Rio Tinto cai 0,42%.

Em outros lugares, o ministro das Finanças Kemi Adeosun da Nigéria manteve conversações preliminares com o Banco Mundial, a fim de ajudar a financiar um orçamento recorde em 2016, mas não solicitou quaisquer empréstimos de emergência, segundo a Reuters. A maior produtora de petróleo da África está planejando emprestar até US $ 5 bilhões para ajudar a financiar um deficit orçamental devido a uma queda nas receitas do petróleo, dos quais $ 4.000.000.000 poderiam vir de instituições internacionais e do resto do Eurobonds, segundo a agência de notícias.

AGENDA DO INVESTIDOR:
EUA:
11h30 – Personal Income (renda individual dos cidadãos norte-americanos) e Personal Spending (gastos pessoais dos consumidores), e também o núcleo do Personal Consumption Expenditures – PCE (gastos pessoais dos americanos – medida de inflação mais acompanhada pelo Fed);
12h45 – Final Manufacturing PMI (número final da pesquisa referente ao nível de atividade industrial nos Estados Unidos);
13h00 – ISM Manufacturing PMI (mede o nível de atividade industrial no país);
13h00 – ISM Manufacturing Prices (expectativa dos negócios em relação à inflação futura, onde um número maior indica uma maior expectativa de inflação);
13h00 – Construction Spending (mede os gastos decorrentes da construção de imóveis);
16h00 – Discurso do membro do FOMC e Presidente do FED de Dallas, Richard Fisher

ÍNDICES MUNDIAIS – 7h50:

ÁSIA
Nikkei: +1,98%
Austrália: +0,76%
Shanghai: -1,77%
Hong Kong: -0,45%

EUROPA
Frankfurt – Dax: -0,56%
London – FTSE: -0,67%
Paris CAC: -0,74%
IBEX 35: +0,33%
FTSE MIB: -0,22%

COMMODITIES
BRENT: -0,56%
WTI: -1,99%
OURO: +0,48%
COBRE: -1,77%
SOJA: -0,28%
ALGODÃO +0,20%

ÍNDICES FUTUROS
Dow: -0,43%
SP500: -0,51%
NASDAQ: -0,50%

Observação: Este material é um trabalho voluntário e gratuito, resultado da compilação de dados divulgados em diversos sites da internet que são aqui resumidos de maneira didática para facilitar e agilizar a compreensão do leitor. O texto da sessão asiática está no tempo passado e a europeia no presente devido ao horário em que este relatório é redigido. Atentem-se para o horário da disponibilização dos dados.

por HARAMOTO