ÁSIA:  A maioria dos principais mercados asiáticos fechou em alta nesta segunda-feira reagindo aos números de exportações japoneses melhores do que o esperado no final da tarde, apesar de um iene relativamente mais forte.

O benchmark Nikkei 225 fechou em alta de 0,29%, com o iene chegando a 103.90 contra o dólar, comparado a 103,78 de antes da divulgação, colocando pressão sobre os exportadores locais. Os dados do governo mostraram que as exportações de setembro recuaram 6,9% em termos homólogos, melhor do que a previsão para uma queda de 10,4%. O volume de exportação cresceu 4,7% em termos homólogos, enquanto as importações caíram 16,3%, em linha com as expectativas do mercado. Outros dados foram mais positivos. O PMI preliminar de manufatura de outubro subiu para 51,7, ante 50,4 em setembro, expansão mais rápida em nove meses. Leituras acima de 50 indicam expansão, enquanto os níveis abaixo indicam contração.

Do outro lado do Estreito da Koreia, o Kospi subiu 0,48%, enquanto os principais índices nas Filipinas e Vietnã recuaram.

Na Austrália, o ASX 200 fechou em queda de 0,40%, com a maioria dos setores fechando em baixa. Os chamados quatro grandes bancos da Austrália fecharam sem direção, enquanto entre as mineradoras australianas, BHP Billiton subiu 0,1%, Rio Tinto avançou 0,1% e Fortescue recuou 0,6%.

Em Hong Kong, o índice Hang Seng subiu 0,42% e na China continental os números também foram positivos. O Shanghai Composite subiu 1,21% e o Shenzhen Composto subiu 0,89%, depois que o banco central da China fixou o yuan 0,2% mais fraco em relação ao dólar nesta segunda-feira. O yuan tem sido negociado próximo das mínimas de seis anos contra o dólar nas últimas sessões e alguns investidores tem se preocupado com a saúde da economia chinesa, dada a  fraqueza da moeda local. Analistas dizem que a recente mudança no yuan foi impulsionado principalmente pela força do dólar e que essa tendência tende a continuar. O yuan chinês enfraqueceu em relação ao dólar, sendo negociado a 6,7732.

No mercado de câmbio, o dólar foi negociado acima de 98 contra uma cesta de moedas. O índice do dólar estava em 98,723 acima dos níveis de 97,600 na semana anterior. Analistas dizem que o PIB dos EUA que será divulgado nesta semana vai ser um importante catalisador para uma possível caminhada dos juros pelo Fed na reunião do FOMC em dezembro. De acordo com a ferramenta Fedwatch do CME Group, a probabilidade de uma alta em dezembro caiu para 69,5%, ante 73,9% de ontem.
Em outros lugares, o dólar australiano subiu para US $ 0,7623, enquanto o euro estava em US $ 1,0877 no horário do pregão asiático.

Os preços do petróleo caíram durante o pregão asiático, derrubando muitos players regionais. Santos  caiu 2,86%,  Oil Search caiu 1,97% e Woodside Petroleum recuou 1,06% na Austrália. No Japão, Inpex caiu 1,46% e  Japão Petroleum recuou 2,28%, enquanto as ações da CNOOC listadas em Hong Kong subiram 0,75%, a Petrochina avançou 2,71% e Sinopec subiu 2,24%.

EUROPA:  As bolsas europeias avançam na manhã na segunda-feira, com investidores focados entre dados econômicos recém lançados e os lucros das empresas. O pan-europeu STOXX 600 sobe 0,44%.

Destaque para a alta do espanhol IBEX 35 após Mariano Rajoy garantir a reeleição como primeiro ministro. Segundo analistas, a boa notícia é que o impasse político na Espanha acabou, permitindo que o país inicie discussões sobre potenciais medidas de austeridade para levar à Bruxelas.

O índice português PSI 20 também sobe após a agência de classificação DBRS decidir na sexta-feira manter a classificação de grau de investimento do país. DBRS é a última das quatro agências a manter Portugal no grau de investimento. Um rebaixamento faria Portugal perder o acesso ao programa de compra de títulos do BCE, resultando provavelmente em maiores custos de financiamento para o país e suas instituições financeiras.

Entre os dados econômicos, o índice PMI de manufatura de outubro dos países da zona do euro subiu para uma alta de 30 meses em 53,3, melhor do que a estimativa de 52,6 dos analistas. Os dados alemães superaram as expectativas, com o PMI de manufatura, atingindo uma alta de 33 meses a 55,1, enquanto o PMI de serviços subiu para uma alta de 3 meses, em 54,1. O PMI de manufatura da França subiu para uma alta de 10 meses, em 51,3, mas o PMI de serviços caiu para uma baixa de 3 meses em 52,1, abaixo das expectativas de uma leitura de 53.

O euro sobe 0,0827% frente ao dólar e é negociado a US $ 1,0888, comparado com $ 1,0873 de antes da divulgação.

Entre as notícias corporativas, as vendas da Philips no terceiro trimestre subiu para 5,9 bilhões de euros e uma melhoria de 14% no EBITDA, ajudado pelo aumento das vendas em suas operações de tecnologia de cuidados de saúde e redução de custos e suas ações seguem negociadas 4% maior nos primeiros negócios. As ações da EasyJet avançam após o UBS elevar sua projeção sobre o papel. A AT & T e Time Warner  impulsiona as ações de mídia europeia, enquanto Royal Bank of Scotland opera levemente menor após Investec cortar o seu preço alvo. Entre outros, o setor de recursos também opera em alta depois que o Barclays aumentou seus preços alvo para uma série de ações, incluindo Rio Tinto e BHP Billiton.

AGENDA DO INVESTIDOR:
EUA:
11h45 – Flash Manufacturing PMI (estimativa referente ao nível de atividade industrial nos Estados Unidos);

ÍNDICES FUTUROS – 7h00:
Dow:  +0,46%
SP500:  +0,49%
NASDAQ:  +0,60%

OBSERVAÇÃO: Este material é um trabalho voluntário, resultado da compilação de dados divulgados em diversos sites da internet que são aqui resumidos de maneira didática para facilitar e agilizar a compreensão do leitor. O texto da sessão asiática está no tempo passado e a europeia no presente devido ao horário em que este relatório é redigido. Atentem-se para o horário de disponibilização dos dados.

via HARAMOTO

RESENHA DA BOLSA – SEGUNDA-FEIRA 24/10/2016