ÁSIA: Mercados na Ásia tiveram mais um dia de quedas, seguindo o sell-off em Wall Street e com o petróleo permanecendo volátil.

A postura cautelosa do Federal Reserve sobre possíveis novos aumentos da taxa de juros levantou dúvidas sobre a economia global e levou à subida acentuada do iene frente ao dólar, atacando a competitividade dos exportadores japoneses. O iene valorizou 0,4% e fechou a 112,86 por dólar, depois de chegar a cair à ¥ 110,99 na quinta-feira, o menor nível desde 31 de outubro de 2014, quando o Banco do Japão chocou os mercados ao aumentar seu atual programa de compra de títulos. O ministro das Finanças do Japão, Taro Aso disse nesta sexta-feira de manhã que os movimentos do iene tem sido ásperos e que os rápidos movimentos no mercado de câmbio não são desejáveis e que iria acompanhar de perto os mercados cambiais.

Alguns analistas acreditam numa flexibilização adicional do Japão complementando o anúncio do mês passado ao introduzir as taxas de juros negativas e que o Banco do Japão irá cortar 0,5% da sua taxa em março ou antes em  relação à atual taxa de -0,1%, além de aumentar as compras de títulos do governo japonês. Os títulos do governo japonês e o iene tendem a subir em tempos de incerteza econômica. O Nikkei reabriu após um feriado na quinta-feira e caiu 4,84%, para 14,952.61, a sétima queda nos últimos oito pregões para o menor patamar de fechamento desde outubro de 2014 e encerrando a semana com queda de mais de 11%. Entre os exportadores japoneses, Toyota, Nissan e Sharp caíram 6,81, 5,82 e 10,32%, respectivamente.

Na Austrália, o S & P / ASX 200 caiu 1,16%, para 4,765.30 pontos pesada pelo setor financeiro que caiu 1,58%.
As mineradoras recuaram. Rio Tinto e BHP Billiton cairam 1,27 e 0,98%, respectivamente e a produtora de minério de ferro Fortescue caiu 4,71%. Rio Tinto informou perdas anuais após o fechamento do mercado de quinta-feira e descartou sua política de dividendos progressiva, em linha com as expectativas do mercado, citando a piora das condições econômicas globais e queda nos preços das commodities e informou ainda uma perda líquida de US $ 866 milhões para 2015, comparado com um lucro de US $ 6,53 bilhões no ano anterior. Em sentido contrário, Bluescope fechou em alta de 14,16%, após a siderúrgica projetar um lucro de US $ 230 milhões no primeiro semestre do ano fiscal de 2016, ante um aumento anterior de cerca de A $ 180 milhões, citando corte de custos, melhores margens e aumento da demanda na Austrália como razões para o upgrade.

S & P / ASX 200 recuou 4,2% na semana, o menor fechamento em dois anos e meio e 11,6% em 2016, devido a onda de vendas que saudou os investidores desde o início do ano e está mais de 20% abaixo em relação à sua recente alta registrada em abril passado, cumprindo a definição de um mercado urso.

Na Coreia do Sul, o Kospi caiu 1,41%, enquanto o índice Hang Seng de Hong Kong caiu 0,93% em seu segundo dia de negociações nesta semana. O coreano e de Hong Kong ficaram fechados de segunda a quarta-feira devido feriados do Ano Novo Lunar. As bolsas chinesas do continente e Taiwan retomarão às atividades na próxima semana.

Os preços do petróleo continuaram voláteis, registrando ganhos durante comércio asiático após o Wall Street Journal informar que de acordo com o ministro da Energia dos Emirados Árabes Unidos, a OPEP estaria pronta para cooperar nos cortes de produção, apesar do ceticismo do mercado; nas últimas semanas, tanto a Rússia, quanto a Venezuela pediram à OPEP e outros grandes produtores de petróleo para reduzir a produção e o Irã disse que está pronto para cooperar, mas sem nenhum aparente progresso. Stocks de energia tiveram um desempenho misto. Santos subiu 3,61% e Woodside deslizou 0,26% na Austrália, enquanto Inpex caiu 6,36% e Japan Petroleum deslizou 3,94% no Japão. Em Hong, CNOOC, PetroChina e Sinopec subiram entre 0,49 e 1,34%.

EUROPA: Mercados europeus abriram o pregão em alta nesta sexta-feira, com o STOXX 600 subindo 1,3%, depois de ser espancado no dia anterior.

O PIB da zona do euro registrou uma expansão de 0,3% nos últimos 3 meses de 2015, como previsto. Comparado com o quarto trimestre do ano anterior, a economia da zona euro cresceu 1,5%. Em toda a União Europeia (UE), o PIB também cresceu 0,3% no quarto trimestre, um décimo abaixo da taxa observado no terceiro trimestre e a menor em todo o exercício de 2015. Comparado com o mesmo período do ano passado, o PIB da UE cresceu 1,8%, em comparação com 1,9% no terceiro trimestre. Assim, a economia da zona euro cresceu 1,5% em 2015, enquanto o PIB da UE se expandiu 1,8%.  O PIB do quarto trimestre da Alemanha mostrou que a maior economia da Europa cresceu também a uma taxa de 0,3%, pesada pelas exportações que caíram, mas a Itália cresceu apenas 0,1% no trimestre, abaixo das previsões de uma expansão de 0,3%. Na França, segunda maior economia da união monetária, mostrou que o seu PIB cresceu apenas 0,2% nos últimos três meses do ano passado, em comparação com 0,3% no terceiro.

A produção industrial da zona do euro afundou 1% no mês em dezembro, refletindo uma demanda global sem brilho, especialmente nos mercados emergentes.

O banco central da Suécia reduziu sua taxa de juros ainda mais para o território negativo na quinta-feira, um movimento considerado mais agressivo do que o previsto pelos mercados.  “Taxa negativa” é o termo mais usado nos meios de comunicação que está assustando os investidores. É algo pouco conhecido e ninguém sabe quais são as repercussões desta. Analistas dizem que os bancos centrais precisam tranquilizar os mercados de que eles detém ferramentas suficientes para lidar com qualquer tipo de situação, tanto negativo quanto positivo.

Bancos avançam com o alemão Commerzbank subindo mais de 14% após publicar lucro líquido no quarta trimestre em linha com as expectativas dos analistas, graças a redução das provisões para empréstimos ruins e que planeja pagar dividendo de 20 cents de euro (23 centavos de dólar) por ação, o primeiro dividendo desde 2007. Além disso, o banco disse que pode começar a oferecer taxas de juros negativas sobre os depósitos de clientes corporativos de médio porte, em meio a expectativas de que o Banco Central Europeu poderia cortar a sua principal taxa de juros abaixo de zero. Muitos bancos italianos, que tem estado sob pressão, recuperam também, embora problemático Banca Monte dei Paschi di Siena caia mais de 11% após o maior rival UBI Banca descartou algo com o banco.

Em Londres, o FTSE 100 avança, diminuindo o efeito da queda de ontem, quando registrou o seu menor fechamento em três anos e meio.

O setor de recursos básicos registra um forte desempenho. Anglo American sobe mais de 7 %, com os investidores comprando após mergulho das ações no início desta semana. Glencore também opera em território positivo após o Deutsche Bank elevar suas ações. Entre as gigantes, BHP Billiton e Rio Tinto avançam 6,17 e 4,96%, respectivamente.

AGENDA DO INVESTIDOR:
EUA:
11h30 – Retail Sales (mede as vendas totais do mercado varejista, desconsiderando o setor de serviços) e o Core Retail Sales (exclui as vendas de automóveis e gás);
11h30 – Import Prices (preços de bens importados, excluindo petróleo);
13h00 – Prelim UoM Consumer Sentiment (mede a confiança dos consumidores na economia norte-americana);
13h00 – Prelim UoM Inflation Expectations (mede a porcentagem que os consumidores esperam do preço dos bens e serviços nos próximos 12 meses);
13h00 – Business Inventories (relatório sobre as vendas e os estoques do setor atacadista);

Observação: Este material é um trabalho voluntário e gratuito, resultado da compilação de dados divulgados em diversos sites da internet que são aqui resumidos de maneira didática para facilitar e agilizar a compreensão do leitor. O texto da sessão asiática está no tempo passado e a europeia no presente devido ao horário em que este relatório é redigido. Atentem-se para o horário da disponibilização dos dados.

Por: HARAMOTO