ÁSIA: ​As bolsas da Ásia fecharam majoritariamente positiva nesta sexta-feira com oscilações cambiais capturando  a atenção com o ponto médio do yuan registrando o seu ponto mais baixo em relação ao dólar desde maio de 2008, enquanto o iene continuou a sua sequência de fraqueza recente.

Na quinta-feira, as bolsas da região recuaram drasticamente após o Reserva Federal dos EUA aumentar os juros pela segunda vez em uma década. O aumento da taxas nos EUA normalmente aumentam os custos de financiamento para empresas asiáticas em dólares e desencadeiam a fuga de capitais pelos investidores regionais que voltam aos Estados Unidos em busca de rendimentos mais elevados, no entanto, analistas dizem que a reação “instintiva” de ontem foi exagerada.

O Banco Popular da China definir o yuan em 6,9508 contra 6,9478 do dia anterior, numa tentativa de conter as saídas de capital e queda das reserva de divisas estrangeira, após o Fed aumentar suas taxas. O dólar atingiu níveis de 14 anos. As reservas de divisas da China caiu mais do que o esperado, para  US $ 3,05 trilhões em novembro. As bolsas do continente fecharam em alta. O Shanghai Composite terminou 0,2% acima, enquanto o composto de Shenzhen fechou em alta de 0,94%.

Em sentido contrário, o índice Hang Seng caiu 0,18% e contrariou a tendência regional.  As ações da Dairy China Huishan tiveram suas negociações suspensas depois que um relatório americano questionou os lucros da empresa, acusando o China Huisan Dairy de inflar os gastos com suas empresas de gado para aumentar as despesas, informou a Reuters.

No Japão, o Nikkei fechou em alta de 0,66%, atingindo  os 19.439,97 pontos no início da sessão, seu nível mais alto desde dezembro passado, impulsionado por um iene ainda mais fraco em relação ao dólar, buscando 118,13, em comparação com os níveis de cerca de 115 de antes da decisão do Fed. Um iene mais fraco geralmente suporta os exportadores, pois aumenta os ganhos quando são repatriados, tornando os produtos mais competitivos no exterior.

Na Austrália, o ASX 200 terminou em baixa de 0,1%, com por pesadas perdas no subíndice ouro, que mergulhou 6,71%. O ouro à vista foi negociado a US $ 1,130.66 a onça, perto de uma baixa de 11 meses. Os principais produtores do metal amarelo estavam no vermelho. Newcrest Mining caiu 4,72%, Evolution Mining despencou 8,26% e Alacer Gold caiu 1,3 %. Entre os grandes, BHP Billiton caiu 2% e Rio Tinto fechou em queda de 1,75%.

Na Coreia do Sul, o Kospi fechou em alta de 0,27%. Ações de fabricantes de vacinas subiram após o Ministério da Agricultura da Coréia do Sul elevar o nível de alerta para gripe aviária para o nível mais alto, com a doença se espalhando pelo país.

EUROPA: ​As bolsas europeias operam em baixa nesta sexta-feira com investidores ainda reagindo em relação ao aumento da taxa de juros por parte do Federal Reserve e digerido novos dados da zona do euro. O pan europeu Euro Stoxx 600 abriu estável, com as principais bolsas negociando em diferentes direções. As ações de bancos recuam apesar das notícias de que o governo italiano está planejando usar 15 bilhões de euros para recapitalizar vários de seus bancos.  Monte dei Paschi finalmente aprovou formalmente um aumento de capital, mas as preocupações de que serão necessários a intervenção do Estado não terminou. Suas ações sobem 1,3% na manhã desta sexta-feira.

As ações da Actelion seguem no topo do referencial europeu, saltando mais de 9% após a notícia de que a Sanofi está preparando uma proposta de aquisição, de acordo com a Bloomberg.

Enquanto isso, o primeiro-ministro grego Alexis Tsipras está encontrando a alemã Angela Merkel em Berlim num momento em que os credores europeus bloquearam medidas de alívio da dívida de curto prazo para Atenas, depois que o governo grego anunciou gastos adicionais em pensões, uma política de vistos pelos credores como contrário ao programa de resgate do país. Rússia vai anunciar nesta sexta-feira a sua mais recente decisão da taxa de juros.

O Instituto Ifo alemão elevou sua previsão  de crescimento econômico do país em 2018 para 1,7%, ante estimativa anterior de 1,6%. DAX 30 opera em ligeira alta.

No Reino Unido,  o FTSE 100 serpenteia nesta sexta-feira, após subir 0,7% na quinta-feira, seu melhor fechamento desde 25 de outubro e segue para um fechamento semanal de 0,6%, o que marcaria a segunda semana de ganhos. Ações farmacêuticas sobem, com os investidores avaliaram a notícia de que a  francesa Sanofi está em negociações avançadas para comprar a Actelion por cerca de US $ 275 por ação. Em Londres, a fabricante de medicamentos AstraZeneca sobe 0,52% e Hikma Pharmaceuticals avança 1,55%.

Mineradoras continuam a luta nesta  sexta-feira, depois de tomar uma surra na quinta-feira, seguindo uma acentuada queda nos preços dos metais nominados em dólares, com a notícia de que o apetite por minério de ferro chinês continua a cair. Antofagasta cai 2,27%, BHP Billiton perde 0,72%, Anglo American perde 0,9%. Reservas de petróleo sobem modestamente. BP sobe 0,72% e Royal Dutch Shell recua 0,51%.

AGENDA DO INVESTIDOR:
EUA:
11h30 – Housing Starts (número de casas que começaram a ser construídas) e Building Permits (autorizações para a construção de imóveis foram concedidas);

ÍNDICES FUTUROS – 7h30:
Dow: +0,05%
SP500: -0,03%
NASDAQ: +0,03%

OBSERVAÇÃO: Este material é um trabalho voluntário, resultado da compilação de dados divulgados em diversos sites da internet que são aqui resumidos de maneira didática para facilitar e agilizar a compreensão do leitor. O texto da sessão asiática está no tempo passado e a europeia no presente devido ao horário em que este relatório é redigido. Atentem-se para o horário de disponibilização dos dados.

via HARAMOTO

RESENHA DA BOLSA – SEXTA-FEIRA 16/12/2016