ÁSIA:  A maioria dos mercados na Ásia fechou em queda nesta sexta-feira, após a região ser assolada por acidentes naturais. Um tufão provocou vítimas e destruição nas Filipinas e cancelou o pregão em Hong Kong, além de um terremoto de magnitude 6,6 atingir o oeste do Japão, mas sem emitir nenhum alerta de tsunami.

O iene, que é considerado um refúgio seguro, fortaleceu contra o dólar e subiu para 103,75 após as notícias, comparado com 104,20 de antes da divulgação. O Nikkei do Japão fechou 0,30% e do outro lado do estreito coreano, o Kospi encerrou em queda de 0,37%.

O tufão Haima, a tempestade mais forte a atingir as Filipinas em três anos, matou pelo menos uma dúzia de pessoas e inundou vastas extensões de campos de arroz e milho no país, antes de se dirigir em direção a Hong Kong. O índice PSE das Filipinas caiu 0,82% e a operadora de mercado de Hong Kong (HKEX) disse que os pregões de mercados de títulos e derivativos na ilha foram cancelados devido o tufão.

Enquanto isso, os mercados da China continental terminaram de forma mista, com o Shanghai Composite avançando 0,22%, enquanto o Shenzhen Composite caiu 0,38%. Dados do governo mostraram que os preços dos imóveis em setembr cresceram 11,2% nas 70 maiores cidades chinesas, no ritmo mais rápido já registrado, aumentando temores de uma bolha do mercado no país. Entre as ações de propriedade listadas no continente, Vanke caiu 2,66% com preocupações de que o aumento dos preços de habitações poderiam estimular autoridades a tomar medidas para resfriar o setor.

Na Austrália, o ASX 200 fechou 0,22% menor. Os quatro grandes bancos terminaram a semana ligeiramente superior, assim como a BHP, embora  Rio Tinto tenha fechado a semana em ligeira baixa.  Na sexta-feira BHP Billiton subiu 1%, Fortescue avançou 1,7%, mas Rio Tinto recuou 0,2%.

No mercado de câmbio, o índice do dólar, que mede o dólar contra uma cesta de moedas, subiu para 98,50, acima dos níveis abaixo dos 97,80 no início da semana. O dólar provavelmente recebeu impulso com expectativas crescentes de que o Federal Reserve dos EUA poderá aumentar as taxas de juro já em dezembro e que o PIB dos EUA do terceiro trimestre que será divulgado na próxima semana será um grande catalisador. Analistas disseram que o índice do dólar também foi impulsionado por um euro relativamente mais fraco, que caiu abaixo de US $ 1,09 ante níveis acima de US $ 1,10 da semana anterior, depois que o Banco Central Europeu optou por manter as taxas de juros inalteradas em uma decisão amplamente esperada, mas também disse que não discutiu estender seu programa de compras de ativos além do vencimento de março 2017.

Os preços do petróleo fecharam misturados em uma sessão ligeiramente volátil durante o horário asiático, depois de cair mais de 2% na sessão de quinta-feira, com analistas atribuindo a queda à realização de lucros após atingir altas de 15 meses na sessão anterior.

EUROPA:  As bolsas europeias operam com pequenos ganhos nesta sexta-feira, após subirem na sessão anterior quando o presidente do Banco Central Europeu sugeriu a possibilidade de mais estímulo na economia da zona euro.

O índice Stoxx Europe 600 sobe 0,08% depois de mostrar um ganho maior no início da sessão. Tecnologia, bens de consumo e ações de telecomunicações sobem, mas cuidados de saúde, petróleo e gás, concessionárias e ações do setor financeiro estavam no vermelho. O índice fechou em alta de 0,2% na quinta-feira, revertendo as perdas após Draghi dizer em entrevista coletiva que o BCE não decidiu encerrar seu programa de flexibilização quantitativa, que está programado para terminar em março de 2017. Draghi disse que o conselho não havia discutido nada a respeito de terminar o programa ou estendê-lo para além de março. Draghi deixou claro que todas as decisões seriam adiadas para reunião de 08 de dezembro.

Os investidores entenderam que o banco central ainda considera mais estímulos em dezembro e este ponto de vista foi partilhado por negociantes de títulos que tomaram os yields da Alemanha e francesas após o anúncio. Contudo, analistas salientaram que não havia nada excessivamente dovish no discurso de Draghi. O euro recua 0,3934% sendo comprado a $ 1,0889, abaixo dos US $ 1,0929 da quinta-feira, quando a moeda comum foi negociado em torno de seu nível mais baixo desde março. Na semana, o Stoxx 600 segue a caminho de uma alta de 1,4%.

No Reino Unido, o FTSE 100 opera em alta. Todas as mineradoras avançam. Anglo American, Glencore, Antofagasta e Rio Tinto avançam 0,9%%, enquanto BHP Billiton sobe 0,3%.

EUA: Os índices de ações futuros apontam para uma abertura em baixa nesta sexta-feira de manhã, com investidores aguardando relatórios trimestrais de grandes corporações e comentários de autoridades do Federal Reserve. Entre os balanços, General Electric, Honeywell, McDonald, SunTrust e Synchrony estão entre sociedades constituídas que devem relatar antes da abertura, enquanto isso, o governador Fed Daniel Tarullo deve falar na Conferência da Columbia Law School, em Nova York. O presidente do Fed de San Francisco, John Williams, falará na Conferência dos membros do Federal Home Loan Bank em San Francisco.

AGENDA DO INVESTIDOR:
EUA:  Não está prevista a divulgação de dados econômicos importantes.

ÍNDICES FUTUROS – 7h00:
Dow:  -0,34%
SP500:  -0,35%
NASDAQ:  -0,18%

OBSERVAÇÃO: Este material é um trabalho voluntário, resultado da compilação de dados divulgados em diversos sites da internet que são aqui resumidos de maneira didática para facilitar e agilizar a compreensão do leitor. O texto da sessão asiática está no tempo passado e a europeia no presente devido ao horário em que este relatório é redigido. Atentem-se para o horário de disponibilização dos dados.

via HARAMOTO

RESENHA DA BOLSA – SEXTA-FEIRA 21/10/2016