ÁSIA:  Em um dia de volatilidade, os mercados da Ásia recuperaram parte das perdas anteriores e fecharam majoritariamente em alta nesta terça-feira. Alguns analistas atribuíram a reviravolta na maioria das bolsas asiáticas à uma percepção de mercado de que a candidata democrata Hillary Clinton venceu o debate contra o candidato republicano Donald Trump, realizada na noite de segunda-feira nos EUA.

No Japão, o Nikkei 225 fechou em alta de 0,84%, apagando uma perda de quase 1,3% do início do pregão. Stocks estavam sob pressão mais cedo devido a um aumento do iene na véspera. O iene japonês também sucumbiu à resistência inicial, após o par yen / dólar chegar a cair para 100.07, em comparação com cerca de 100.85 de ontem à tarde. Exportadores japoneses inverteram as perdas para fechar em alta. O iene havia subido após o presidente do Banco do Japão, Haruhiko Kuroda, dizer a líderes empresariais em Osaka que o banco central estava preparado para usar todas as ferramentas políticas disponíveis para atingir sua meta de inflação de 2%, incluindo cortar as taxas de juro de curto prazo para território ainda mais negativo.

Em Hong Kong, o índice Hang Seng subiu 1,09%, enquanto na China continental os mercados recuperaram e apagaram as perdas iniciais. O Shanghai Composite terminou 0,59% maior, a 2.997,88 pontos e o Shenzhen Composto adicionou 0,75%.

Na Austrália, o ASX 200 fechou em queda de 0,47%, mas diminuiu parte das perdas de 1% do início da sessão, contrariando a tendência regional. O setor financeiro fortemente ponderada fechou em queda de 0,7%, com os quatro principais bancos encerrando em queda, enquanto o setor de energia recuou 0,75%. As principais mineradoras australianas também recuaram. BHP Billiton, Fortescue e Rio Tinto recuaram 0,2, 1,0 e 0,7%, respectivamente.

No mercado de câmbio, o índice do dólar , que acompanha o dólar contra uma cesta de moedas, foi negociado a 95,372 no horário asiático, em comparação com 95,297 de ontem e abaixo dos 96,00 da semana anterior, enquanto os preços do petróleo recuaram durante o horário asiático, depois de subir na segunda-feira, em meio à crescente volatilidade no mercado de energia. Os maiores produtores de petróleo do mundo reunirão em uma conferência sobre energia na Argélia para discutir as preocupações excesso de oferta nesta semana.

EUROPA: As bolsas europeias abriram em alta, mas viram para queda nesta manhã que sucede o primeiro debate à sucessão presidencial dos EUA, com o setor de energia ficando sob pressão depois que o Irã jogou água fria sobre as esperanças de um acordo para congelamento da produção em uma reunião entre os principais produtores de petróleo nesta semana, enquanto o sentimento fraco atinge o setor bancário, que vê as ações do Deutsche Bank atingir outro um recorde de baixa.

O Stoxx Europe 600 cai 0,64% após chegar a subir 0,7% no início da sessão, após desempenho de Hillary Clinton no debate presidencial nos Estados Unidos. O benchmark caiu 1,6% na segunda-feira, pesada pelas quedas nas ações de petróleo e gás, bem como as ações da Deutsche Bank.

Nesta terça-feira, entre os produtores de petróleo, a espanhola Repsol cai 1,6% e as fabricantes de equipamentos para extração de campos petrolíferos, Petrofac e Technip recuam 2,11 e 2,38%, respectivamente.

O Stoxx Europe 600 Banks Index vira para baixo e cai 1,24%, com as ações do Commerzbank despencando 3,26%. A mudança ocorre depois que o jornal Handelsblatt informou que o segundo maior banco da Alemanha está se preparando para cortar cerca de 9.000 postos de trabalho, bem como o seu dividendo como parte dos esforços de reestruturação. Destaque também para as ações do Deutsche Bank que manteve a tendência de queda, após afundar 7,5% na segunda-feira, quando a revista Focus da Alemanha informou que a chanceler alemã, Angela Merkel, não apoiaria fornecendo auxílios estatais ao maior credor do país. Tanto o banco e quanto o governo alemão não quiseram comentar o relatório.

No Reino Unido, o FTSE 100 também inverte e cai, após o índice de Londres recuar 1,3% na segunda-feira, com os investidores incertos quanto à reunião dos principais produtores de petróleo nesta semana. Ações de grandes companhias de petróleo sucumbem. BP cai 0,67% e Royal Dutch Shell recua 1%, com o petróleo bruto perdem terreno a medida que vai desaparecendo as esperanças de um acordo entre os membros e os não membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo que se reúnem nesta semana na Argelia, no Fórum Internacional de Energia.

A Itália digere a notícia de que um referendo sobre a reforma constitucional do primeiro ministro italiano Matteo Renzi será realizada no dia 04 de dezembro, com o destino de sua administração propensos a depender deste resultado.

Entre os dados econômicos, o Banco Central Europeu mostrou que os empréstimos para empresas da zona do euro caiu um pouco em agosto, apesar de seu programa de estímulo maciço.

EUA:  Futuros dos EUA devolve parte dos ganhos, com a queda nos preços do petróleo acelerando, tirando um pouco da alegria dos mercados após uma aparente vitória da candidata Hillary Clinton sobre Donald Trump no primeiro debate presidencial nos Estados Unidos. As bolsas dos  EUA fecharam em queda na segunda-feira, com o resultado do debate pesando sobre o sentimento dos investidores. Os mercados de uma maneira geral, preferem  a estabilidade e a continuidade, em detrimento à mudança e imprevisibilidade. Trump representa a mudança e Hillary, a continuidade da política atual do Fed.

Outro sinal que os mercados financeiros tem acompanhado, o peso mexicano sobe em relação ao dólar nesta terça-feira após análise do resultado que sugere uma vitória de Clinton no debate.  O dólar caiu para 19.608 pesos, abaixo dos 19.879 pesos na segunda-feira em Nova York. O peso vem atuando como um indicador de sentimento para a eleição presidencial. Na teoria, uma vitória de Trump vai, no mínimo, resultar em menos comércio entre os dois países, se não uma barreira na fronteira sul dos Estados Unidos.

Está programado, uma palestra do vice-presidente do Federal Reserve, Stanley Fischer com o tema “Por que estudar Economia” na Economic Convocation da Howard University. Além disso, a  Nike irá reportar  seu balanço após o fechamento do mercado.

AGENDA ECONÔMICA:
EUA:
10h00 – S&P/CS Composite-20 HPI (examina as mudanças no valor (preço de venda) do mercado imobiliário em 20 regiões nos EUA no ano anterior. Este relatório ajuda a analisar a força do mercado imobiliário dos EUA, o que contribui para a análise da economia como um todo);
11h00 – CB Consumer Confidence (mede o nível de confiança dos consumidores na atividade econômica. É um indicador importante, pois pode prever os gastos do consumidor, que é uma parte importante da atividade econômica);
10h45 – Flash Services PMI (estimativa inicial do Índice PMI, fornecendo indicadores precedentes para dados finais do PMI de Serviços. São um dos primeiros indicadores econômicos de cada mês, fornecendo evidências de mudanças nas condições econômicas;
11h00 – Richmond Manufacturing Index (consiste numa pesquisa com cerca de 100 fabricantes, determinando a saúde econômica do setor manufatureiro no distrito de Richmond. Qualquer leitura acima de 0 indica melhoria das condições do setor, enquanto uma leitura abaixo de 0 indica agravamento das condições);
12h15 – Discurso do membro do FOMC e Presidente do FED de Dallas, Richard Fisher;

ÍNDICES FUTUROS – 7h20:
Dow:  +0,11%
SP500: +0,15%
NASDAQ: +0,15%

OBSERVAÇÃO: Este material é um trabalho voluntário, resultado da compilação de dados divulgados em diversos sites da internet que são aqui resumidos de maneira didática para facilitar e agilizar a compreensão do leitor. O texto da sessão asiática está no tempo passado e a europeia no presente devido ao horário em que este relatório é redigido. Atentem-se para o horário da disponibilização dos dados.

via HARAMOTO

RESENHA DA BOLSA – TERÇA-FEIRA 27/09/2016